Após Castelo Branco e Vidreiro, o Rali do Marco União de Freguesias será a terceira prova do Challenge DS3 R1, que é uma novidade para todos os participantes.

Diogo Soares / Luís Rodrigues dominaram as duas primeiras provas do Challenge DS3 R1, mas agora no Rali do Marco União de Freguesias, que decorre nos próximos dia 1 e 2 de julho, esta dupla, bem como os seus mais diretos adversários, vão ter de enfrentar um rali totalmente novo, com dois dias de competição.

Victor Calisto, responsável pelo Challenge DS3 R1, refere que esta competição “vai entrar numa fase decisiva, já que os adversários de Diogo Soares vão tentar tudo por tudo para vencer e assim equilibrar as contas do Challenge. Será uma prova nova para todos, o que irá equilibrar ainda mais os andamentos, pelo que se espera um rali bem competitivo e disputado”.

Vencedor em Castelo Branco e no recente Rali Vidreiro, Diogo Soares, que comanda o Challenge, diz que “o objetivo mantêm-se para este rali. Queremos lutar pela vitória, e vamos tentar preparar o rali da melhor maneira possível. Temos algumas coisas a retificar depois do último rali e esperamos conseguir dar mais um passo no que toca à nossa evolução”.

Atual segundo classificado do Challenge, Miguel J. Barbosa, refere, relativamente a esta prova no Marco de Canaveses, que “certamente vai ser um rali bastante animado, e vamos para discutir a vitória”.

Depois de uma boa exibição no Vidreiro, Ricardo Sousa, diz que “o objetivo para o Rali do Marco é continuar com o ritmo que conseguimos alcançar no Vidreiro, e para tal vamos tentar evoluir o andamento troço a troço pois este rali é bastante traiçoeiro e é muito fácil cometer um erro”.

Para o piloto de Viseu, Hugo Lopes “os objetivos passam por lutar pelo pódio. Depois da desistência no último rali não podemos perder mais pontos. A luta pelos lugares da frente vai passar a ser o objetivo para os próximos ralis desta época. Ainda não estamos onde queremos mas vamos preparar melhor as provas daqui para a frente para que também possam contar connosco. Vamos tentar que seja já a partir desta prova, por isso mais uma vez vamos dar o nosso melhor”. Sérgio Brás vai ter neste rali a sua verdadeira estreia, depois da curta experiência na prova anterior. “Como a minha estreia não correu da melhor forma e da maneira que tínhamos delineado, para este rali vamos continuar a aprendizagem sempre com o pensamento em terminar, fazer quilómetros para adquirir mais ritmo competitivo, tentando ir sempre aumentando o andamento para ver onde nos vamos colocando especial a especial. Desta vez não vou poder contar com o Paulo Fiuza ao meu lado, mas sim com toda a experiência do Nuno Rodrigues da Silva que me vai acompanhar e ajudar nesta que será a minha segunda participação nesta competição”, refere Sérgio Brás.

O Rali do Marco União de Freguesias estará na estrada nos próximos dias 1 e 2 de julho.

Mais informações do Rali do Marco em www.cami.pt

Classificação do Challenge DS3 R1

O Rali Vidreiro estará na estrada no próximo dia 9 e 10 de junho.

CALENDÁRIO CHALLENGE DS3 R1

11 e 12 Março Rali de Castelo Branco CNR / TNRA
9 e 10 Junho Rali Vidreiro CNR / TNRA
1 e 2 Julho Rali do Marco TNRA / CRRN
21 e 22 Julho Rali de Sernancelhe / A. Beira TNRA / CRRC
8 e 9 Setembro Rali Viana do Castelo TNRA / CRRN
4 e 5 Novembro Rali Casinos do Algarve CNR / TNRA

Diogo Soares / Luís Rodrigues venceram o Rali Vidreiro, somando assim a segunda vitória consecutiva no Challenge em duas provas.

Ao longo dos nove troços do Rali Vidreiro Diogo Soares / Luís Rodrígues e Ricardo Sousa / Luís Marques travaram uma interessante luta pela vitória no Challenge DS3 R1.

Diogo Soares entrou mais forte e venceu os dois primeiros troços, que o deixaram na liderança no final do primeiro dia, mesmo tendo perdido algum tempo na super-especial.

Ricardo Sousa entrou muito forte no segundo dia, passando para a liderança de imediato após a 4ª especial, mais Diogo Soares respondeu regressando de novo a liderança no troço seguinte para não mais a largar, mesmo se o seu adversário tenha mantido a pressão até final, com os dois pilotos a terminarem separados por 15,2s.

“Foi um rali com muitos altos e baixos. Conseguimos abrir uma boa vantagem nos dois primeiros troços do Farol, mas tivemos um percalço na super especial que nos fez perder algum tempo. No início do segundo, saímos de estrada no primeiro troço e tivemos de correr atrás do prejuízo até à hora de almoço. A parte da tarde, foi então gerir a vantagem que tínhamos e conseguimos chegar ao fim em primeiro”, comentava o vencedor do Rali Vidreiro, Diogo Soares, que ainda lidera o Challenge DS3 R1 de 2017.

No pódio terminou também a dupla Miguel Barbosa / Carlos Magalhães. No primeiro dia foi obrigado a desistir devido a um problema de alternador, mas como as regras do Challenge permitiu pontuar em Super Rally, o piloto de Famalicão somou importantes pontos com este terceiro lugar no Rali Vidreiro, consolidando o segundo lugar no Challenge, em termos absolutos.

As três restantes equipas inscritas no Challenge neste rali, ficaram todas pelo caminho. Hugo Lopes / Nuno Ribeiro desistiram com problemas de transmissão no Citroen, quando tinham o terceiro lugar quase garantido, João Ruivo / Emídio Magalhães tiveram que abandonar no primeiro dia com a problemas de caixa de velocidades no DS3 e, também no primeiro dia, o estreante Sérgio Brás (com Paulo Fiuza ao seu lado) capotou e os estragos no carro não permitiram continuar em prova.

Classificações do Rali de Vidreiro em www.camg.pt

CALENDÁRIO CHALLENGE DS3 R1

11 e 12 Março Rali de Castelo Branco CNR / TNRA
9 e 10 Junho Rali Vidreiro CNR / TNRA
1 e 2 Julho Rali Marco TNRA / CRRN
21 e 22 Julho Rali de Sernancelhe / A. Beira TNRA / CRRC
8 e 9 Setembro Rali Viana do Castelo TNRA / CRRN
4 e 5 Novembro Rali Casinos do Algarve CNR / TNRA

 

Três meses depois de Castelo Branco, o Challenge DS3 R1 regressa para a sua segunda prova com a presença de seis equipas à partida.

A segunda prova do Challenge DS3 R1 é o Rali Vidreiro que se realiza nos próximos dias 9 e 10 de junho, novamente em paralelo com os concorrentes do Nacional de Ralis.

No entender de Victor Calisto, responsável pelo Challenge DS3 R1, esta segunda prova tem tudo “para ser bem mais disputada e competitiva que a prova inicial em Castelo Branco. Por certo que os pilotos mais consagrados quererão no Rali Vidreiro impor a sua experiência, mas os mais jovens tentarão também fazer vingar o maior ritmo que têm de competição e que demonstraram na prova inicial. O Vidreiro marcará também a estreia de mais um piloto, Sérgio Brás, que por certo irá acrescentar valor a esta competição”.

Vencedor na primeira prova em Castelo Branco e atual detentor do Challenge, Diogo Soares, afirma que “o Rali do Vidreiro será certamente um dos maiores desafios da época. Para além de ser um rali que não se enquadra muito no meu estilo de condução, é uma prova que não permite qualquer tipo de erros. Queremos continuar a mostrar que a nossa vitória no troféu o ano passado não foi mero acaso e, por isso, vamos tentar fazer o melhor rali possível”.

Para Ricardo Sousa, o objetivo desportivo nesta prova “passa, acima de tudo, por continuar a adaptação aos novos pneus e tentar alcançar um ritmo que nos permita chegar aos lugares cimeiros. Para tal vamos tentar evoluir gradualmente troço a troço”.

Depois do azar na primeira prova, João Ruivo diz que no Rali Vidreiro “a nossa aposta passa, em primeiro lugar, por terminar para pensarmos no Challenge e só depois pensar no resultado. É logico que gostamos de andar na frente, mas novo desaire pode colocar em causa todo o projeto. Rápidos, mas seguros... será essa a táctica para esta prova”. Quanto a Miguel J. Barbosa, no Rali Vidreiro o objetivo é “contribuir para um bom espetáculo no troféu. Contudo, estamos preparados para lutar pela vitória”.

Para Hugo Lopes este “é um rali longo e difícil, mas eu estou confiante de que tudo pode correr bem, vamos tirar umas boas notas para que consigamos ganhar confiança e irmos evoluindo ao longo do rali. Quanto a resultados claro que o objetivo é lutar por um pódio e vamos fazer por isso”.

O estreante Sérgio Brás, que terá ao seu lado o experiente Paulo Fiúza, diz que como “vai ser a minha primeira experiência ao volante de um carro de rali o objetivo passa por terminar o rali, na melhor classificação possível e tentando perceber onde nos vamos colocando ao longo dos troços. A estratégia terá de ser a prudência. Será arrancar com calma, pois este rali tem troços com alguma rapidez e alguns deles longos e a experiência é pouca, tentando imprimir um ritmo constante, atacando sempre que é possível, mas nunca perdendo a concentração”.

O Rali Vidreiro estará na estrada no próximo dia 9 e 10 de junho.

CALENDÁRIO CHALLENGE DS3 R1

11 e 12 Março Rali de Castelo Branco CNR / TNRA
9 e 10 Junho Rali Vidreiro CNR / TNRA
1 e 2 Julho Rali do Marco TNRA / CRRN
21 e 22 Julho Rali de Sernancelhe / A. Beira TNRA / CRRC
8 e 9 Setembro Rali Viana do Castelo TNRA / CRRN
4 e 5 Novembro Rali Casinos do Algarve CNR / TNRA

Diogo Soares/ Luís Rodrigues iniciaram a temporadade 2017 do Challenge DS3

R1 com uma excelente vitória entre os cincoconcorrentes que disputaramo Rali

de Castelo Branco.

Agora com pneus Michelin nos Citroen, o Challenge DS3 R1 arrancou no Rali de Castelo Branco com um nível de competitividade muito interessante, mesmo que a dupla Diogo Soares / Luís Rodrigues, vencedores em 2016 nesta competição, tivessem dominado do primeiro ao derradeiro troço, vencendo ainda 7 das 9 especiais de classificação.

Para o jovem piloto madeirense, o segredo da vitória esteve “no trabalho de casa e na preparação cuidada que foi feita antes da primeira prova. Trabalhei a diferentes níveis e o resultado acabou por ser esta vitória. Foi um rali em que não cometi erros e em que tive um ritmo constante ao longo de toda a prova. Com os pneus Michelin consegue-se ter outra confiança para andar depressa, o que tornou o carro mais competitivo”.

No seu regresso aos ralis, Miguel J. Barbosa, com o experiente Luís Ramalho a seu lado, apostou sobretudo em fazer o máximo número de quilómetros para ficar a conhecer o Citroen DS3 R1, obtendo no final um excelente segundo lugar. “Antes do rali tinha feito apenas 13 quilómetros com o carro no shakedown, por isso este rali serviu para o ficar a conhecer melhor. Tenho a certeza que posso ser mais competitivo nas próximas provas e que vamos ter uma competição muito interessante de seguir”, referiu Miguel J. Barbosa.

Inscritos mesmo em cima da hora de início do Challenge, Hugo Lopes / Nuno Ribeiro, fizeram em Castelo Branco um rali em constante progressão, que lhes valeu no final um pódio, levando o piloto de Viseu a comentar “que correu tudo bem e dentro das previsões”.

O quarto lugar ficou para Ricardo Sousa / Luís Marques, que tiveram quase na fase final do rali, um problema com o seletor da caixa de velocidade do Citroen DS3 R1. “Felizmente conseguimos terminar e recolher importante pontos. Foi um rali que não nos correu muito bem, por isso, temos trabalho a fazer na adaptação aos novos pneus para que possamos nas próximas prova ser mais competitivos”, disse Ricardo Sousa.

Pelo caminho ficou João Ruivo / António Magalhães, quando um problema de caixa de velocidades do Citroen DS3 R1 obrigou ao abandono logo no início do segundo dia. Um rali inglório para João Ruivo que apostava em ser um sério candidato a discutir a vitória.

 

 

Informações Rali de Castelo Branco em www.escuderiacastelobranco.pt

 

CALENDÁRIO CHALLENGE DS3 R1

11 e 12 Março Rali de Castelo Branco CNR / TNRA
9 e 10 Junho Rali Vidreiro CNR / TNRA
1 e 2 Julho Rali do Marco TNRA / CRRN
21 e 22 Julho Rali de Sernancelhe / A. Beira TNRA / CRRC
8 e 9 Setembro Rali Viana do Castelo TNRA / CRRN
4 e 5 Novembro Rali Casinos do Algarve CNR / TNRA

O carros inscritos no Challenge DS3 R1 de 2017 irão estar equipados, em exclusivo, com pneus da marca Michelin.

Lançada que está a terceira e última edição do Challenge DS3 R1, e após estarem definidas as seis provas de asfalto que integram o calendário de 2017, a novidade agora é o acordo com a Michelin, fazendo com que todos os Citroen DS3 R1 estejam equipados com pneus desta marca.

“Trata-se de um excelente notícia para o Challenge DS3 R1 a todos os níveis”, começa por afirmar Vitor Calisto, responsável pela organização do Challenge, que de seguida explica que “este troféu foi originalmente desenvolvido com pneus desta marca, que é das melhores marcas mundiais de pneus para ralis. Desta forma vamos conseguir que o Citroen DS3 R1 melhore a sua prestação por prova em cerca de 1 a 2 segundos por quilómetro, o que é considerável, incrementado também os níveis de segurança das equipas. Quer dizer que vamos ter mais competitividade e mais segurança no Challenge”.

Para Vitor Calisto este acordo com a Michelin encerra um capítulo de dois anos com a marca Fedima que “não cumpriu o acordo verbal que tinha para os três anos de realização do Challenge, alterando radicalmente as condições para 2017, que não eram de facto as ideias para os pilotos e para a continuidade do Challenge. Felizmente agora que com os Pneus Michelin os pilotos terão outras condições para andarem mais depressa e em mais segurança”, refere Vitor Calisto.

Brevemente estarão disponíveis os regulamentos técnicos e desportivos, que na generalidade não terão grandes alterações face a 2016, bem como a ficha de inscrição no site do Challenge (www.challengeds3r1.com).

Go to top